quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

EURYTHMICS

Que delícia...

THERE MUST BE AN ANGEL...



Meu anjo... onde estará?
Estou procurando por ele...
E espero encontrá-lo...

Abraço angelical a todos, rs...
Marcos.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

JUST MY IMAGINATION

Romântico?
Que merda!!!
Rs...

Mas tô romantiquim hoje, rs... sozim... romantiquim... carentim... rs...


Abraço a todos,
Marcos.

A INVENÇÃO DE HUGO CABRET

A INVENÇÃO DE HUGO CABRET...
LONGA DE SCORSESE FANTÁSTICO, BRILHANTE, GENIAL...


Abraço cinéfilo a todos,
Marcos.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

BEING BORING

EU QUERO BRINCAR ASSIM...
EU QUERO SER ASSIM...
EU QUERO VIVER ASSIM...



Delicious... rs...

Enorme abraço a todos,
Marcos.

FREEDOM ´90

Que delícia!!!
Quero dançar...
Quero voltar...
Quero sonhar...


Bons tempos... quanta nostalgia!!! rs...

Abraço a todos,
Marcos.

PICASSO







Bom... muito bom...

Abraço a todos,
Marcos.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

MY CHERIE AMOUR

Não estou apaixonado... mas como eu gostaria de estar, rs...

Mas, enquanto isso... MY CHERIE AMOUR... nada melhor do que isso, rs...


Abraço afetivo a todos,
Marcos.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

A DAMA DE FERRO

Ontem, sábado, assisti ao filme "A Dama de Ferro". A meu ver, é um bom filme e a interpretação da Meryl Streep é monstruosa, como sempre.
Que mulher!
Que atriz!
Que genialidade!


Abraço afetivo a todos,
Marcos.

SADE

Nada melhor do que Sade nesse carnaval... rs...

Love is stronger than pride...


Nothing can come between us...


Your love is king...


Abraço de bem com a vida, rs...
Marcos.

MILLENNIUM - OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES

Apesar de "Millennium - Os Homens que não Amavam as Mulheres" não ser um filme brilhante, escrevi um texto que aponta os aspectos interessantes do novo longa-metragem de David Fincher.



A versão norte-americana de Millennium

O último longa-metragem de David Fincher (SevenClube da Luta e A Rede Social), Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres (The Girl with the Dragon Tatoo, 2011, EUA), baseia-se na primeira obra da trilogia de livros do sueco Stieg Larsson: Os Homens Que Não Amavam as MulheresA Menina que Brincava com Fogo e A Rainha do Castelo de Ar
Em 2009, o diretor dinamarquês Niels Arden Oplev filmou sua versão do primeiro livro. Devido ao sucesso de vendas dos livros da trilogia, às adaptações dos livros para o cinema europeu e à incapacidade dos norte-americanos de lerem legendas, a indústria cinematográfica hollywoodiana decidiu fazer sua versão para a trilogia Millennium.  
Há tempos não assistia a um thriller que me deixasse tão interessado na história narrada. Ou melhor: o filme é interessante pelo roteiro, pelas tramas desenvolvidas e, especialmente, pela personagem Lisbeth Salander (Rooney Mara). Ela está incrível devido a construção psicológica, complexa, bizarra, andrógina que a atriz realiza dessa personagem.
O filme inicia-se com Mikael Blomkvist (Daniel Craig) saindo de um tribunal por haver escrito um artigo na revista Millennium – daí o título da trilogia –, da qual é sócio, acusando o empresário Hans-Erik Wennerström de corrupção. Esse é um dos primeiros elementos que torna o filme interessante e atual. Devido a essa acusação, ele terá de pagar uma quantia enorme de dinheiro a esse empresário. Porém, Mikael acredita em sua investigação e no texto publicado.
Inicialmente, Mikael e Lisbeth não se conhecem, pelo menos pessoalmente. Ela ficou encarregada de realizar uma investigação a respeito dele a fim de ser entregue a Henrik Vanger (Christopher Plummer), empresário sueco milionário, que deseja desvendar o mistério do desaparecimento de uma de suas sobrinhas ocorrido há cerca de 40 anos. O encontro de Mikael e Henrik se concretiza e o empresário pede a ajuda do jornalista para tentar solucionar esse caso de possível assassinato. Para Henrik um dos membros de sua família foi responsável pela morte de Harriet. Esse possível crime dessa jovem por um dos membros da família Vanger e as relações entre os membros dessa família é outro elemento produtivo do longa-metragem. Além do mais, essa é uma boa oportunidade para Mikael “isolar-se” do mundo, uma vez que morará em uma ilha afastada de Estocolmo, a fim de sair dos noticiários. Decide também ajudar Henrik por este haver-lhe prometido entregar documentos que provam que Wennerström está envolvido em atos inescrupulosos.
 Enquanto Mikael inicia e desenvolve a pesquisa sobre o possível assassinato de Harriet, começamos a entrar no universo de Lisbeth. Ela é uma jovem de 24 anos que, desde os 12, está sob tutela do Estado sueco por haver ateado fogo no corpo do seu pai e ser considerada perigosa e insociável. Ao visitar um homem que é seu tutor, encontra-o caído no chão e o leva a um hospital. Posteriormente, sabemos que esse homem teve uma espécie de AVC. Portanto, outra pessoa será responsável pela tutela de Lisbeth. Seu novo tutor é uma figura repugnante que a obriga a satisfazê-lo sexualmente em dois momentos. Contudo, Lisbeth consegue filmar uma dessas cenas e passa a chantageá-lo para que ele escreva relatórios mensais sobre ela discorrendo acerca de seu bom comportamento, e para que ela possa movimentar o dinheiro de sua conta corrente proveniente de seu trabalho como investigadora/hacker. Esse é um tema que nos chama a atenção, ou melhor, seu trabalho como investigadora/hacker que traz a questão do ciberespaço para dentro do filme. Ela é de uma agilidade e sagacidade inacreditáveis, talvez isto seja até um tanto inverossímil, mas nos tempos atuais tudo ou quase tudo se torna possível... A meu ver, ela é uma jovem rotulada como “andrógina/bizarra” por sua forma de vestir-se – quase sempre de preto –, por suas tatuagens, por seus vários piercings, por sua bissexualidade, por sua forma de portar-se e de ser, porém essa personagem é de uma complexidade psicológica e inteligência inacreditáveis. Em outras palavras: ao mesmo tempo em que é a “deslocada” o que talvez deseje é ser compreendida e amada, apenas isso e nada mais do que isso. Essa complexidade é mais um elemento que joga a favor do filme e Rooney Mara consegue construir a personagem de forma primorosa. Não à toa ela concorreu ao Globo de Ouro e concorrerá ao Oscar como melhor atriz nesse ano.
Como já escrevi, Lisbeth e Mikael não se conhecem pessoalmente, até o momento em que ele se dá conta de necessitar de um assistente. Henrik sugere, então, Lisbeth por ela ser excelente investigadora/hacker e haver anteriormente investigado a vida de Mikael. O trabalho dos dois realiza-se de forma produtiva e eficaz e aos poucos descobrem um passado nazista dos Vanger imbricado a uma série de assassinatos relacionados aos homens dessa família e, finalmente, conseguem montar o quebra-cabeça referente ao desaparecimento de Harriet. A meu ver, o processo de pesquisa, o enigma a ser descoberto é mais interessante do que a descoberta em si, mas essa foi a opção dos produtores, do roteirista e do diretor do filme. Mikael também consegue provar que Wennerström é corrupto e resgatar sua credibilidade e inocência. Além do mais, Lisbeth cria laços afetivos por Mikael, mas ao vê-lo com sua companheira, sente-se frustrada e traída, ou melhor, parece desejar romper relações com ele. Para mim, os fios do filme acabam excessivamente amarrados. Talvez se tivessem ficado um pouco mais frouxos o final do longa seria um pouco mais interessante.
Apesar dessa ressalva, o filme Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres é um bom longa-metragem, devido ao roteiro, as tramas abordadas, a excelente atuação de Rooney Mara e a trilha sonora primorosa que desde a abertura diz a que veio, ou seja, nos acompanhar nessa história de suspense e de intrigas. História esta que vale a pena ser vista, apesar de seu final um tanto previsível.               

Marcos Peter Pinheiro Eça

Enorme abraço a todos,
Marcos.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Lacrimosa 2+Preisner

Adoro as trilhas do Preisner, desde a época em que ele compunha para o Kieslowski. 
Belíssimo!
Emocionante!
Genial!




Incrível!
Abraço carnavalesco a todos,
Marcos.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

BENOÎT MAGIMEL

LINDO...
INTERESSANTE...
FASCINANTE...

EU QUERO UM ASSIM PRA MIM, RS...

















EITA FRANCESIM INTERESSANTE... EU QUERO UM ASSIM PRA MIM, RS...

Abraço a todos,
Marcos.

Florence And The Machine - Dog Days Are Over

Bom..
Muito bom..
Delicioso...
Estupendo...
I like it!!!
I love it!!!
Eu SE divirto, rs...




Great...
Genial...
Fantástico...

Abraço a todos,
Marcos.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

A ILHA DAS FLORES+JORGE FURTADO

BRILHANTE, GENIAL, INCRÍVEL...


Abraço pensante a todos,
Marcos.

CENTRAL DO BRASIL+WALTER SALLES

Adoro o filme "Central do Brasil"...
Belo filme sobre uma mulher que resgata sua vida por meio do encontro/cruzamento com um menino. Ambos empreendem à procura pai dele e, ao procurar esse homem, fronteiras acabam sendo rompidas e transpostas.
Belíssimo longa-metragem de Walter Salles. Não à toa ganhou o Urso de Ouro em Berlim em 1998.




Lindo, belo, emocionante, comovente, humano...
Abraço afetivo a todos,
Marcos.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

O ARTISTA

Hoje, 11/02/2012, assisti ao filme "O Artista", simplesmente lindo, sensível e simples. Fotografia e trilha sonora impecáveis. Adorei!!!


Abraço afetivo a todos,
Marcos.

GAUDÍ

GÊNIO!!! BRILHANTE!!! INCRÍVEL!!!

























Abraço catalão a todos,
Marcos.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

DON´T GET ME WRONG...

Delicioso...
I feel happy..
I´m in heaven...
In paradise...
De boa...
Leve...
Flutuando... rs
Over the moon...




Muito, muito bom...
Eu gostcho... rs...
E como gostcho...
Dá-lhe: Don´t get me wrong...

Abraço in heaven,
Marcos.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

THE CRANBERRIES

Nostalgia!
Saudades...
Verborragia?
Sei lá... e não quero saber!
Eu apenas quero curtir:
E ser feliz!!!
quero ser feliz...
Amar?
Ser amado?
Sei lá...
Encontrar alguém?
Talvez?
Espero sim!
Quero sim!
Encontre-me: venha até mim!




Abraço cranberrieano a todos, rs...
Marcos.

O AÇÚCAR+FERREIRA GULLAR

O açúcar

O branco açúcar que adoçará meu café
nesta manhã de Ipanema
não foi produzido por mim
nem surgiu dentro do açucareiro por milagre.

Vejo-o puro
e afável ao paladar
como beijo de moça, água
na pele, flor
que se dissolve na boca. Mas este açúcar
não foi feito por mim.

Este açúcar veio
da mercearia da esquina e tampouco o fez o Oliveira, dono da mercearia.
Este açúcar veio
de uma usina de açúcar em Pernambuco
ou no Estado do Rio
e tampouco o fez o dono da usina.

Este açúcar era cana
e veio dos canaviais extensos
que não nascem por acaso
no regaço do vale.

Em lugares distantes, onde não há hospital
nem escola,
homens que não sabem ler e morrem de fome
aos 27 anos
plantaram e colheram a cana
que viraria açúcar.

Em usinas escuras,
homens de vida amarga
e dura
produziram este açúcar
branco e puro
com que adoço meu café esta manhã em Ipanema.

Ferreira Gullar. Toda Poesia. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1980, p. 227-228.

Abraço poético e contestador a todos,
Marcos.

TRIÂNGULO AMOROSO

Em 06/02/2012, assisti ao interessante "Triângulo Amoroso" de Tom Tykwer, quem ainda não o viu, tente não perdê-lo porque vale super a pena. O final é belíssimo!!! Contemporâneo! Libertador e liberador!!! Genial! Incrível! Brilhante!



Abraço afetuoso a todos,
Marcos.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

O dia em que Lampião se apoderou de Rita Lee

O dia em que Lampião se apoderou de Rita Lee

05 de fevereiro de 2012 | 3h 56

Christian Carvalho Cruz
Veje homi seu menino
Sente que vou lhe contar
Do dia que baixou Virgulino
Em um palco feito altar
Na Rita que não é a santa
Mas moça boa no falar

Antes contudo todavia
Um bocado acabrunhado
Peço a bença dos poetas
Que nessa arte têm mestrado
Não riam aqui deste mané
Um patavina do Assaré
Pois aquele um, o Virgulino
É o próprio Lampião
Falecido no Sergipe
Sítio deste dramalhão 
E Rita é a Lee a negra ovelha
Nossa mais digna pentelha
Foi na Barra dos Coqueiros
Sua cantoria derradeira
Armou-se grande festa
Pro adeus de uma roqueira
Agora não venham os dotô
Com essa chata choradeira
Vocês conhecem essa cara
Essa fala, esse cheiro
Portanto se desespantem
Com os modos de carroceiro
Ela ficou só pouco mais fula
Com o espírito do cangaceiro
Quando a dita assombração
Empreendeu sua manobra
Ocupando aquele corpo
De cabelo cor de abobra
Ela sentindo a ditadura
De cabrita virou cobra
Era noite alta e fresca
Quando surgiu a soldadesca
Bulindo o povo, acintosa
Atrás da tal erva venenosa
Lá de cima Rita viu
Parou o show, o céu caiu
E quando súbito se viu
A lua desaparecer
Na praça antes pacata
Foi um tal de se benzer
“Vixe cr’em Deus pai
O regabofe vai feder”
Possuída pelo fantasma
Do bandoleiro nordestino
Rita fez da voz o bacamarte
E da bala o seu hino
Chamou major de cachorro
O tenente de equino
A roqueira do cangaço
Disse tudo sem volteio
Oiô de frente a guarda
Exibiu dedo do meio
C’atitude obscena
Só cresceu o rebosteio
Nem o beiço quis molhar
Com água, suco ou fruta
Se dirigiu aos capacetes
“Seus filhos duma puta
Venham me pegar
Sou avó mas tô enxuta”
A razão e o motivo
De tamanho aporrinho
A Lampiona deixou claro:
A força bruta, o desalinho
No lombo da meninada
Causa dum baseadinho
Indo pra lá mais adiante
Não precisa de adivinho
Pra notar naquele grito
Também disparo de espinho
Contra os cabra que arrocha
Aluno, nóia e Pinheirinho
Por isso e mais um tanto
Que a mutante encrenqueira
Em seu verbo assoberbado
Pôs nos dente a peixeira
Dando devido sacolejo
Na triste vida brasileira
Quem ficou aperreado
Foi Déda governador
Disse e não é chiste
Que Rita está em seu playlist
Mas xingar homem da lei
É demais pra quem assiste
Não por outra o mandatário
Pensou ir ao tribunal
Cortar a paga do cachê
Mas evitou posar de mau 
Se Rita lamentasse o auê
“Causdequê?! Do fumacê?!”
Entremente o rebuliço
Muito apoio lhe foi dito
O filho Beto veio aqui
E confessou estar aflito
O titã Sérgio Britto:
“Fuck the police, viva Rita Lee!”
Ainda chefe de Corisco
64 anos e avó
Gulosa, escandalosa
Foi levada ao xilindró
E nas venta do delegado
Passou novo forrobodó
Causo tão misterioso
Os pelo sobe de alembrar
Mas juro ao senhor
Pela emoção não me guiar
Tava assim de cabra da peste
Que pode tudo confirmar
Do seio da luz brilhante
Veio o divino chanceler
Em pessoa o Padim Ciço
Com sua mágica colher
Futucou-lhe as entranhas
Rancou o capeta da mulher
A cantante estrebuchava
Se arrastando pelo chão
Pro marido ela explicava:
“Foi o calor da emoção”
E Roberto amparava: 
“Cospe, Rita, cospe fora o dragão”
Exorcizado o coisa ruim
Ordenou o padroeiro
“Rita, mia fia
Não atuo de bombeiro
Pois volte já pra rede
Escandalize os tuiteiro”
Ela beijou a mão do santo
Agradecida e juvenil
Pensou que bem podia
Ser presidenta do Brasil
Pra dar Panis Et Circenses
A essa gente tão gentil
Má ideia não seria
Pois artista não sobrou
Chico só quer bola
E Caetano caducou
Então vote em Rita Lee
Prum país mais rock and roll!
Vou parando por aqui
De sua paciência abusei
Minha lira se gastou
Das fantasias que cantei
Mas garanto meu amigo
Se aumentei não inventei.
Abraço cangaceiro a todos,
Marcos.

Neparlepá+Veríssimo

Domingo, 05 de Fevereiro de 2012, 03h00

"Ne parle pas devant la petite" foram as primeiras palavras que a Norinha aprendeu em francês. Ela tinha 4 anos e já sabia algumas palavras em inglês, que ouvia na TV, como "yes" e "let's go", mas as primeiras palavras em francês foram aquelas que sua mãe repetia muito em conversas com seu pai: "Ne parle pas devant la petite".

Norinha usava seu extenso vocabulário para falar com suas bonecas. "Yes" e "let's go" e "ne parle pas devant la petite". E uma vez divertiu um grupo de pessoas que visitavam seus pais parando no meio da sala e gritando:

- Ne parle pas devant la petite!

- Onde foi que você aprendeu isso, menina?!

Todos acharam muita graça. Menos a mãe da Norinha, que ficou preocupada. A Norinha ouvia tudo. Tinha curiosidade sobre tudo. Em pouco tempo estaria perguntando o que significava aquele neparlepá que sua mãe tanto dizia.

0 0 0

Norinha cresceu, aprendeu que "ne parle pas devant la petite" queria dizer "não fale na frente da criança" e nem precisou perguntar pra mãe o que não era para ela ouvir nas discussões do casal, ou quando a conversa ficava só para adultos. O casamento deles estava se dissolvendo, eles queriam poupar a filha disso. E coisas como sexo e as maldades do mundo não eram para os ouvidos de uma criança.

- Vocês esperavam mesmo que eu não fosse notar que o casamento de vocês estava em crise? E que eu acabaria sabendo tudo sobre o que vocês tentavam esconder, não falando na frente da criança?.

- Naquele tempo era assim, minha filha. Hoje...

0 0 0

- Hoje? - disse Norinha. - Eu vou lhe contar como é hoje.

E Norinha contou que, quase que por nostalgia, usara a frase da mãe na sua casa. Ela e o marido estavam comentando os excessos de um programa de televisão na presença dos meninos e ela dissera "ne parle pas devant les petits". E Julio, o marido, dissera:

- Ahn?

- Ne parle pas devant les petits. É uma frase em francês que quer dizer...

- Eu sei o que quer dizer. Mas ninguém mais usa essa frase, Norinha.

- Eu sei. É que...

- Há uns 40 anos essa frase não é usada. Nem na França.

- Eu só acho que certas coisas o Marquinhos e o Lucas ainda não estão em idade de ouvir.

- Eles ouvem na rua. Ouvem na escola. Ouvem em toda parte. É só ligarem a televisão que ouvem tudo.

- Mas não ouvem dos pais deles.

- E você acha isso certo, ou acha uma hipocrisia?

0 0 0

E Norminha disse para a mãe que concordava com Julio, que era uma hipocrisia. Mas que mesmo assim começara a usar a frase, quase como um protesto contra os tempos em que tudo é dito e tudo é ouvido por todas as idades. Só que a frase tem tido um efeito inesperado. Quando ela pede para o marido "ne parle pas devant les petits", Lucas, o menor, diz:

- Ih... Olha o neparlepá. Lá vem sacanagem.

Abraçim (com ç sim) a todos, rs...
Marcos.

BREAKBOT+CASSIUS

CONTEMPORÂNEOS...
FANTÁSTICOS...
DELICIOSOS...





Abraço dançante a todos,
Marcos.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

HISTÓRIAS CRUZADAS

Hoje, consegui assistir ao filme "Histórias Cruzadas". Belo filme! Emocionante! E, é evidente, me lembrei de "A cor púrpura" - um dos primeiros filmes que me emocionou e me fez perceber que o cinema é algo que me fascina, me toca, me atravessa...



Abraço emocionado a todos,
Marcos.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

MAGNÓLIA... BRILHANTE!!!

Adoro esse filme, como também sua trilha sonora... Brilhante: especialmente, ONE...




Abraço cinéfilo a todos,
Marcos.

POEMA EM LINHA RETA+ÁLVARO DE CAMPOS


 Poema em Linha Reta - Álvaro de Campos
 
Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo.
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo. 


Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...


Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó principes, meus irmãos, 


Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo? 


Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra? 


Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza. 


Abraço pessoano a todos,
Marcos.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

LISA STANSFIELD+DEUSA

Adoro a forma como a Lisa Stansfield canta, se expressa... DEUSA!!!

CHANGE: DELICIOSA, RS...


PEOPLE HOLD ON: FANTÁSTICA, RS...


THE REAL THING: LINDO, RS...


NEVER, NEVER GONNA GIVE YOU UP... MUITO BOA, RS...


She´s great... I love her...

Abraço britânico e sofisticado a todos,
Marcos.


TYLER WOOD

Vai ser gostoso assim na puta que pariu, rs...









Grande abraço a todos,
Marcos.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

EZRA MILLER+WE NEED TO TALK ABOUT KEVIN

eZrA mIlLeR:
Bom ator e ainda bonitinho e gostosinho, rs... Eu quero um assim pra mim, rs...

 













Quero um assim, rs... Eu quero!!! Quero!!!, rs...
Um grande abraço a todos,
Marcos.

Tilda Swinton+Precisamos falar sobre o Kevin

Ontem, 31 de janeiro, assisti ao interessante "Precisamos falar sobre o Kevin" em que Tilda Swinton dá um espetáculo de interpretação: simplesmente genial!!!









Abraço a todos,
Marcos.